Tuesday, January 6, 2009

Chuck - Rescaldo

Ora bem, na ressaca de me ter finalmente chegado o pack da 1ª temporada de Chuck, alegremente vindo da Amazon e desse belo território que é o UK, resolvi que devo voltar a falar desta série que teve o raro efeito em mim de a querer rever assim à maluca só porque posso e porque gosto (algo que, em termos de séries, só me aconteceu com Lost e Futurama, respectivamente o 1º e 2º lugar das minhas preferências televisivas - beware, My Name is Earl! se Chuck mantiver a qualidade, arriscas-te a sair do pódio). Isto porque, da outra vez, acho que falei muito superficialmente de tudo o que de bom se pode retirar de Chuck e só falei dos três personagens que eu considero principais. Ou seja, vou ver se remato a coisa de uma vez e a ver se não me prolongo demasiado.


Além de querer tagarelar um pouco mais sobre Chuck, quero também "ensinar-vos" a poupar uns trocos em bens supérfluos como são estes culturais. Eu sei que disse aqui que ia aproveitar os cheques FNAC natalícios para comprar a série, mas a verdade é que na Amazon estava ao belíssimo preço total (incluindo imposto, portes e empacotamento) de 17.89£, o que nos tempos que correm dá a impensável quantia para a realidade comercial da cultura televisiva em Portugal de 18.48€, algo longe dos 34.90€ exibidos pela "nossa" linda cadeia comercial. Aproveito então para vos aconselhar a todos a criarem o vosso MBNet ou para arranjarem um cartão de crédito da vossa conta habitual para poderem fazer parte do maravilhoso mundo que é mandar vir cultura do estrangeiro, que a nossa daqui é cara. Já que estou numa onda de bons conselhos, sugiro-vos também que vão à Amazon UK em vez de à original americana, pois no caso da compra de DVDs, a região deles é a mesma que a nossa (ou seja, o nosso leitor mais rasco lê DVDs vindos de lá), para não falar do mais importante factor de os portes serem mais baratos e, visto que é correio dentro da UE, não há o perigo de ficarem com material encrencado na alfândega.


Enfim, voltando ao que interessa: Chuck.

Já sabem que é uma série sobre um moço chamado Chuck que ficou aquém do seu potencial e, em vez de acabar o curso e se tornar rico e bem sucedido, foi expulso da faculdade no último ano e acabou como técnico de uma loja de material electrónico chamada Buy More. Apesar de esta estagnação na sua vida e da sua aparente resignação ao seu triste fado, Chuck é um homem muito inteligente e um líder natural. Os colegas da Buy More, embora sejam seus iguais em termos de hierarquia, procuram-no para saberem se há novidades na loja, para resolverem conflitos, para solucionarem problemas.

Este universo da Buy More, do qual não falei no post anterior porque não é algo que me entusiasme particularmente na série, tem o seu quê de interessante. Principalmente se não estivermos em pulgas por saber o desenvolvimento dos plots principais.

Quando Chuck recebe o mail do Bryce e se torna o Intersect (a tal conversa das imagens codificadas que contêm informações confidenciais), a vida dele passa a ser muito mais que a Buy More. O seu trabalho ali passa a ser um disfarce para não levantar suspeitas sobre a sua real função como motor de pesquisa da CIA. A questão aqui, coisa que eu antes não tinha referido, é que não basta perguntar ao Chuck como vai estar o tempo no Dubai e ele responde automaticamente. São frases ou pessoas ou situações ou até tatuagens e cicatrizes muito específicas que desencadeiam uma reacção nas informações escondidas no cérebro de Chuck, que surgem sob a forma de flashes.

Como devem calcular, um cérebro possuidor de tais informações pode causar muitos males se cair nas mãos erradas e é por essa razão que, quando um agente da CIA destrói acidentalmente o computador de Chuck onde o mail ainda estava guardado, Sarah é enviada para proteger aquele que é o único possuidor de todos os segredos de Estado e yada yada. Como a NSA não quer ficar atrás (National Security Agency - e, afinal, não há dúvida que o bem-estar de Chuck passa a ser do interesse da Segurança Nacional), envia Casey. Visto que, não percebo bem como ou porquê, os interesses da CIA e NSA são comuns, Sarah e Casey acabam a trabalhar como parceiros, respondendo aos mesmos superiores e volta e meia a superiores diferentes.

Visto que ajudar o país a proteger-se dos terroristas e mafiosos é bem mais importante que vender electrodomésticos, parece-me normal que a vida na Buy More passe para segundo plano. São então aqui centrados muitos dos subplots da série, o que oferece ao espectador um contraste fabuloso entre as trivialidades de uma vida "normal" numa loja parecida a tantas outras e a vida agitada de espiões a enfrentarem perigos internacionais.

Os trabalhadores da Buy More são, no mínimo, peculiares. Entre uma taiwanesa (?) que é no seu conjunto um fetiche geek e uma criatura escanzelada que ora diz que é indiano, ora diz que é judeu, para não falar do chefe gigante e do homem que já tinha idade para ter juízo... Muita fonte de comédia há por ali! É também na Buy More que ocorre cerca de 70% do tempo de antena de Morgan... Morgan é o melhor amigo de Chuck e digamos que é o personagem que menos gosto na série. Ele é engraçado e não é feio, mas acho-o demasiado tudo para me cativar. Demasiado chato, demasiado needy, demasiado dependente, demasiado preso algures na pré-adolescência. Mas se vocês algum dia virem a série, logo tirarão as vossas próprias conclusões. Eu até o acho giro, no estilo geek fofo.


Passando à frente, outro subplot recorrente é a família de Chuck. Que neste momento se resume à irmã, Ellie, e ao namorado desta, Devon (ou Captain Awesome!). A mãe acho que os abandonou e o pai tem uma qualquer história estranha que aposto que ainda se vai revelar relacionada com espionagem. Ao contrário das histórias da Buy More, que às vezes entram em campos tão geeks e surreais que podem cansar, estes dois são sempre adoráveis. Ellie é linda, preocupada com o irmão, amiga do seu amigo... É super amorosa, não há nada ali para não gostar! Além de que o tipo de humor que proporciona é assim na onda do... adorável. Pois, é mesmo. É aquele sorriso/riso do "awww". O Devon... Bem, o Devon é awesome. Estudante de Medicina, giro, inteligente, todo bom, representante dos bons valores americanos, enfim, uma maravilha! Aquele vozeirão e o franzir de testa... Sem dúvida um personagem que era suposto ser bastante secundário e cuja presença conquistou o amor do público, dando ao actor um lugar no elenco fixo!

Estes dois mundos são o que faltava falar em Chuck. Não vos vou maçar mais, porque já há quem me acuse de só escrever sobre séries e assim não dá! Vou dizer apenas que me identifico com o Chuck porque também eu sinto que não estou a cumprir o meu potencial, pelo menos em termos profissionais, e acho que aparecer-me uma vida recheada de acção e agentes secretos era uma excelente solução! Sabem, se não desse para cair numa ilha com o Sawyer... Ao contrário do Chuck, eu não quereria voltar a ter uma vida normal. Normal is boring.

Ficam então aqui duas imagens espero que melhores, para não ter de ouvir gente a dizer que a Sarah não é assim tão gira (esta é para ti, D.!).



MJNuts

5 comments:

Guess said...

Ela é mesmo gira.

Quem é que refila que tu só falas de séries?! Aqui fala-se de tudo. Eu adoro as tuas críticas.

Tanto adoro que devo confessar que saquei já a 1ª season de Chuck!
Cara MJNuts, o teu colega morcego esta noite vê já o 1º episódio.

Ready to judge that cursed tv-show ^^

Duriel said...

Nessas duas tá muito gira sim =D tenho que sacar chuck...

Morcegos no Sótão said...

Rehab Clinic! ASAP! XD

Lili

Morcegos no Sótão said...

Don't need rehab! I'm healthy like this!=P

Vejam todos Chuck que vão ver que é bom!^^ E tenho é de arranjar um vídeo da Sarah que ela não é muito fotogénica, mas fica muito bem em movimento.lol

MJNuts

Rita said...

A sara nao eh assim tao gira! *P