Saturday, December 27, 2008

Chuck

Ora pois muito bem, estou de regresso da amada terrinha, onde passei o melhor Natal dos últimos tempos!

E sabem o que costuma "terrinha" querer dizer? Quatro canais, nada de Internet, rede por vezes de qualidade duvidosa. Portanto, há que arranjar estratégias de salvação!

Como era Natal, a minha família estava por lá toda, o que além de proporcionar momentos de diversão com as crianças e uns passeios de encher a vista, iniciou-me para aquela que já devia ser há muito tempo uma percepção minha de mim mesma: os board games. Que é como quem diz, jogos de tabuleiro. Não sei como demorei tantos anos a perceber que adoro aquilo e que enquanto jogo, sou uma gaja feliz! Sou muita estúpida, pah! Por isso, há que agradecer-vos, caros primos. As duas noitadas de jogatina foram impagáveis! E viva o Carcassone e o Guillotine! Sem esquecer a Sueca, num campo completamente distinto de vício no jogo.

Se não sabem já, ficam a saber que eu sou uma pessoa de hábitos nocturnos. O meu pai costuma chamar-me Morcega (ah! o nome de grupo dos postadores do Tretas afinal tem razão de ser!). Não tenho culpa que dormir de manhã soe muito mais atractivo ao meu organismo, sim? Conto-vos isto para explicar que noitadas de jogos não chegam para me ir fazer dormir. Não. Eu tenho de chegar à cama sem sono e arranjar algo para me entreter.

Foi assim que, pré-viagem, eu muni o meu computador de material potencialmente excelente: a 3ª temporada de Dexter, Tinker Bell, Kung-Fu Panda, as 2 temporadas de Lipstick Jungle, a 1ª temporada de How I Met Your Mother e a 1ª temporada de... Chuck.

É precisamente sobre esta última que vos quero falar.


Quando me fui deitar na primeira noite longe da capital, apetecia-me ver qualquer coisa que me pusesse bem-disposta. Sim, Dexter é uma das minhas séries preferidas e aposto que a 3ª temporada está fabulástica. Mas não me apetecia aquele ambiente pesado, aquela ansiedade de saber o que se vai passar a seguir. Também não me apetecia gastar 2 horas nas efemérides que são os filmes. Ponderei seriamente o único episódio de Eli Stone que me falta ver... Mas a curiosidade em saber mais sobre aquele geek simpático que conheci numa tarde da RTP foi mais forte.

Nem eu esperava gostar tanto! É que conquistou-me logo aos primeiros minutos! Eu sou muito sexual e romântica a ver séries, tenho de me ligar aos personagens ou nada feito, e quando me aparece um muitíssimo sexy Bryce Larkin (um lindo homem que já conhecia, Matthew Bomer) a fazer piruetas de dificuldade razoável, enquanto destila estilo, dá porrada em gente, envia um e-mail e destrói um computador, tudo isto de fatinho vestido... Ai eu! Vieram-me os calores!

Depois desta avassaladora 1ª impressão, Chuck já não tinha muito a fazer para me conquistar a não ser cumprir a sua função de entretenimento. E Chuck fez mais que isso!

Passando aos básicos, Chuck é uma série que eu diria ser do género "dramédia de acção": mete comédia, mete momentos dramáticos e tem muita acção pelo meio. E faz-me rir, muito importante. O excelente Zachary Levi dá corpo e voz ao protagonista, Chuck, que é basicamente um falhado que vive ali ao virar da esquina, que falhou em cumprir as expectativas geradas sobre si e trabalha agora numa loja estilo Worten, como assistente técnico. Vive com a irmã e o namorado desta e tem o melhor amigo mais chato de sempre. Seriously. Desculpem se parece que não gosto do Chuck. Porque gosto, adoro! É um dos homens mais fofos de sempre e, juntamente com o Ted de How I Met Your Mother, é mais um para a galeria de homens com que qualquer mulher no seu perfeito juízo gostaria de ter uma relação.

No dia do seu aniversário, recebe um mail de um antigo colega de faculdade (esse mesmo, o Bryce Larkin) e, quando o abre, vê que aquilo está carregadíssimo de informações codificadas sob a forma de imagens. O que Chuck ainda não sabe é que essas imagens são confidenciais, altamente secretas, e detentoras de segredos de Estado e de segredos dessa grande agência que dá azo ao glamour hollywoodesco da espionagem que é a CIA. Sem se aperceber disso, Chuck passa a ser, ele mesmo, o Intersect, o computador principal da CIA.

É claro que um cérebro desta magnitude (de sublinhar que Chuck não é uma pessoa ali, é um elemento) não pode circular sozinho pelas ruas de Los Angeles, alguém tem de proteger os segredos do Mundo dos senhores do Mal! E é então que os clichés ambulantes são enviados para a protecção do Intersect, sob a forma da agente da CIA Sarah Walker (a agente boazona - e boazinha) e do agente da NSA John Casey (o agente brutamontes e sarcástico). Podem ser quão estereotipados vocês queiram que eles sejam, mas amo-os perdidamente aos dois!

Adam Baldwin é uma delícia no papel de Casey! Apesar de ser brutamontes, de ser todo a favor da posse legal de armas nos US e de ter sede de sangue, é um homem inteligente e perspicaz. Gosto da relação dele com o Chuck, pois Casey é um homem de aventura e acção, que por vezes se sente preso na vida "mais" pacata que é obrigado a ter como guardião de Chuck, mas não consegue evitar afeiçoar-se ao nosso geek preferido.

Yvonne Strahovski... Opah, é que quase me dá o girl crush! E eu que dizia que não gostava de loiras... Há uma cena algures no final da 1ª temporada em que ela me lembra tanto a Kate de Lost que, se eu ainda achava que ela não me ia conquistar, lá se foi a minha resistência! A sua Sarah Walker é irrepreensível nos seus vários momentos: como "namorada" perfeita de Chuck (é o disfarce arranjado pela CIA para justificar a sua presença), como espia dura e competente, como... empregada de um restaurante de cachorros quentes. O mais curioso é que ela é tão secreta sobre si que nunca temos noção se a conhecemos ou não. Fiquei algures entre o surpresa e o contente ao descobrir pela Wikipedia que esta personagem ganhou o prémio de "Melhor Personagem de TV" (Best TV Character) do IGN.

Mas agora passemos aos motivos que ainda mais me prendem a Chuck. Acho que é do conhecimento geral que eu sou uma shipper (aficcionada das relações nas séries televisivas), não por escolha, mas porque simplesmente sou assim. Vejo ali uma química no ecrã e toca logo as hormonas a saltar e a torcer pelo amour que fica tão 'nito na TV!

Ora junte-se isto...


A isto...


E temos a combinação mais brutalmente saborosa que eu vi na TV desde que a minha pancada por Skate (Sawyer e Kate, de Lost) começou! Que alguém me devolva a sanidade mental, pois acho muito pouco saudável eu sorrir e quase chorar e rezar pela felicidade destes dois! A química salta do ecrã do PC e entranha-se no meu sistema, impedindo as hormonas de estarem descansadinhas no seu poiso! Não, a sério, a tensão sexual ali presente dava para substituir a tensão que mantém uma ponte em pé! Não consigo resistir, tenho de os ver juntos e não juntos e seguir a (não-) história que para ali vai. Bah, os horrores do shipping...

Assim à laia de conclusão, é só para saberem que Chuck me bateu de tal forma que os cheques FNAC (ou fnac?) recebidos no Natal vão já ser investidos no pack da 1ª temporada. That's how you know you really love a TV show.

MJNuts

Update: OK, devo confessar que até a minha paciência de shipper tem limites! Senhores argumentistas, é favor pararem de atirar interesses românticos para cima do Chuck ou da Sarah para ficarmos a ver @ outr@ tod@ ciument@ e depois quando finalmente o interesse romântico deixa de ser interessante, o Chuck e a Sarah continuam sem ir a lado nenhum! Vá vá, tudo o que é demais, enjoa. Desculpem lá, estou na ressaca da storyline da Jill, que me irritou profundamente! És mesmo estúpido, Chuck! Damn you!

7 comments:

Morcegos no Sótão said...

A nossa Maria Graciete! A espalhar a palavra do televisor!

Lili

Rita said...

Obcessive compulsive shipper! Sim sim é fofo, mas isso de julgar series por envolvimentos romanticos devia de te deixar babada por SATC, e não deixa. Chuck é giro sim senhor, a gaja é boa sim senhor (I sound like a guy) mas quanto a envolvimentos romanticos... não é bem o que espero entre eles xD

Nia said...

O que eu me riu a ler as tuas coisas oh Morcega! :D

E kk dia combinamos uma partidinha de board game no Bar do Bairro :D

Beijos

Morcegos no Sótão said...

LOL Maria Graciete... xD

Rita, querida, não sei que raio vês tu em SATC que seja potencialmente digno de amor de shipper! Há demasiadas relações insignificantes por todos os lados para uma pessoa ser masoquista ao ponto de torcer por uma. =P A única relação digna de ser seguida dessa série do demo é a amizade entre as senhoras. Apesar de só saberem falar dos gajos que comem. :P

Para jogar, estou sempre pronta, Mia! É só dizeres!;) E ainda bem que os meus posts te fazem rir. =) Agora vai ver Chuck, vá!^^

MJNuts

Twin said...

Twin és mesmo uma vendida por personagens realmente. Acho que foi o Guess que te chamou isso uma vez lol e não podia ser mais verdade. Tu amas tudo!! um dia uma série é a tua adorada no dia seguinte já adoras outra a ponto de comprar a série lol Vá do que vi de Chuck não me chamou muito a atenção, mas lá está n vi muito. A química entre eles n me pereceu assim tãooo grande e o Chuck não é como o Ted ok??? lol O Ted é beeem mais giro :P Eu casava com o Ted!


"Não tenho culpa que dormir de manhã soe muito mais atractivo ao meu organismo, sim?" EXACTO comigo é o mesmo, porque é que as pessoas n entendem? lol

Nia said...

Pronto, tá bem, a Mia tb pode vir :p

Morcegos no Sótão said...

Sorryyyyy, o M está ao lado do N e eu não releio os comentários (além de que não dá para os corrigir depois). *blush*

O Chuck também é bem giro, Twin, vamos lá a ter calma! E eu adoro muitas séries, mas nem todas me dão pancas respeitáveis! Vá lá, dá-me algum crédito! Eu comparei Chuck+Sarah (que não faço ideia como chamam a isto no fandom) a Skate! Quando me viste a fazer tal coisa???

Vai mas é ver Chuck para teres noção que realmente ali há química a decorrer!=P

MJNuts