Saturday, January 17, 2009

O Implacável Magnata e a Sua Amante Grávida Teriam um Casamento… Por Conveniência!

O que é girl porn? Como fazer girl porn? Qual o segredo da Stephenie Meyer? O que raio é o Crepúsculo? Quem é que faz estas perguntas?

A girl porn gosta muito de metáforas e adjectivos. A melhor maneira de reconhecer girl porn é através do sem número de adjectivos e metáforas utilizados para descrever o protagonista masculino. Não só vão ser muitos, como vão ser repetidos tantas vezes que vamos chegar a perguntar-nos se a autora não sofrerá de deficit de atenção ou de amnésia. É o cabelo que é da cor do ébano e com textura de veludo, 87 vezes. É o peito que é muscular e duro, 143 vezes. É a pele que tem o toque suave de caxemira, 23 vezes. São as mãos que são rijas e grandes mas suaves como a seda, 352 vezes. E por aí adiante. Tão adiante, que após 200 páginas disto torna-se difícil lembrarmo-nos do que quer que seja além da quantidade de vezes que tecidos são usados para descrever partes do corpo. E quanto à personalidade? Who cares! O peito dele é musculado e duro mas suave como cetim!

Outra das características de girl porn é a subtil ameaça que o protagonista representa para a protagonista. Entre inúmeros adjectivos e metáforas sobre o aspecto físico do homem, vai sempre haver aquela metáfora fulcral (também essa a ser repetida 1356 vezes) que informa a leitora que o gajo é tão forte, tão forte, tão forte que podia partir a protagonista ao meio, se quisesse. Mas ele não quer, porque ele é um fixe.

Ora esta mensagem é A Mensagem (não que o Fernando Pessoa tocasse nisto com um pau de 100 metros). É isto que é girl porn, meus senhores e minhas senhoras. O domínio físico sobre a mulher. Seja ele subtil ou óbvio, é isto que põe as jovenzinhas e as senhoras de meia-idade todas malucas!

No entanto, é opcional (a não ser que estejam a escrever, por exemplo, uma Júlia ou uma Sabrina. E que lindas capas!) a cena da “quase violação”. Vocês sabem de qual eu estou a falar. A tal. Aquela. A fantasia sexual mais apreciada. Essa mesma. “Ai não, não, não! Ai sim sim sim sim!” Não se façam de desentendidos, que eu estou a ver-vos.

Assim sendo, eu divido a girl porn em dois tipos: Softcore e Hardcore. Sei que são as mesmas categorias de pornografia “normal” mas não confundam. A mais hardcore das girl porns não chega nem de longe, nem de perto às badalhoquices da pornografia “normal”.
Ora e qual é a diferença entre estes dois tipos de er… literatura (ai, que me ia engasgando), perguntam vocês. Vocês são muito perguntadeiros, já sei. Ora as diferenças são as seguintes: o número de páginas que têm de percorrer até haver sexo e o sexo em si.

Em hardcore, o número de páginas que se tem de percorrer até as personagens principais terem sexo é o equivalente a, num filme, dentro de 15 minutos toda a gente ficar nua. Há ali uma certa tensão sexual, sim senhor, mas não é coisa que dure muito tempo. Vai-se logo direitinho ao que é bom, que os problemas vêm é depois, entre inúmeras sessões de sexo. O sexo é bastante descritivo, sendo que uns autores (ou deverei dizer autoras) preferem ser mais descritivos que outros em certas e determinadas coisas. A uns parece-lhes bem dizer “pila” tal e qual e a outros soa-lhes melhor coisas como "bainha de veludo" ou "membro palpitante". Não temam! A girl porn gosta quando a foleirice encontra a badalhoquice.

Em softcore, o número de páginas que têm de ler até chegarem ao bem bom vai além do que vocês gostariam e o sexo em si muitas vezes é daqueles em que se metem na cama e depois fica tudo escuro, como nos filmes. No entanto, apesar de vocês se sentirem frustrados (ou melhor, frustradas) a ler aquilo, não sabem que a razão pela qual estão a gostar tanto do livro é precisamente a falta de sexo e não a abundância dele. É na tensão sexual que reside o trunfo da girl porn softcore. É pelos “tomates” que a Stephenie Meyer vos apanha. Não é por ela ser mórmon que eles não fazem sexo, é porque arruinava imediatamente o livro para todas as adolescentes borbulhentas a lê-lo. Sexo é sobrestimado. Sexo é para quem PODE fazê-lo. Para quem não pode, tensão sexual é muito melhor porque é aquilo que sentem todos os dias! É também esse o segredo para se escrever boa girl porn, não se andar a TER boa girl porn. É isso mesmo. Girl porn é escrita por quem não faz sexo para quem não anda a fazer sexo.

Ora aí entra a Stephenie Meyer e o seu Crepúsculo e todos os outros livros com nomes de fenómenos meteorológicos que ela expeliu. O que esta marota fez foi escrever a sua fantasia sexual e mandá-la imprimir e subitamente todo um monstro de hormonas foi despertado e alimentado pela mesma. Mas qual o segredo dela? Aquilo é a pior literatura cujo nascimento o mundo testemunhou nos últimos cinquenta anos e, no entanto, a gorda anda a rolar em dinheiro. Será só aquilo que eu mencionei ou algo mais? Serão os vampiros vegetarianos que brilham como diamantes? Serão os partos à Alien? Se houver algum fã da saga Crepúsculo a ler-me faça o favor de me elucidar! Até agora o que mais me elucidou foi uma gaiata no Curto Circuito, da SIC Radical, que resumiu o filme, baseado no livro, do seguinte modo: “É um vampiro que se apaixona por uma rapariga normal e o filme é todo assim”. Sim. Mais de 500 páginas de “todo assim.” Eles andem aí e brilham.

Lili

7 comments:

Morcegos no Sótão said...

Este é o maior pedaço de genialidade "treteira" que pisou este blog nos últimos tempos!xD

MJNuts

Morcegos no Sótão said...

Why, thank you very much!

Lili

Morcegos no Sótão said...

AAh! Adorei!! Fartei-me de rir, salvaste-me o dia!
Li o primeiro meio desconfiada, e o segundo ia voando pela janela várias vezes (só se salvou porque não era meu), e pensei que nunca, nem a ler Amanda Quick , tinha visto tamanho desperdício de recursos naturais.

E também achava que isto era uma fantasia deveras macabra de uma senhorita de meia idade frustrada com a vida, mas não sabia que lhe davam um nome - Girl Porn, dizes tu? Pois agora já sei, e é sempre bom chamar as coisas pelo nome!

Acho que se fosse o marido dela, pedia o divórcio e a custódia dos filhos (2 meninas, se não me engano). E daí, se eu fosse suficientemente burra para casar com uma pessoa destas e dar-lhe filhos, merecia-as todas. E curtia os rendimentos absurdos que ela traz para casa!

Tanta coisa podia ser dita acerca disto... e nenhuma boa, portanto se calhar eu fecho a matraca, que o Bom Jesus é muito bisbiloteiro e sabe-as todas (e depois faz queixinhas ao Pai, o sacaninha).

Não li o 3º (e ouvi dizer que vai haver 4º, 5º e 6º, a mm historia dos primeiros 3 mas no ponto de vista do defunto - oh wow, era mesmo isto que faltava à saga!!). Aquela amostra de gente da Belle dá rebentos vampíricos ao namorado? Eles não eram estéreis? (e não era este um dos dilemas de uma das vampiras, não poder ter filhos?)

Eternamente tua,
Giovanna

Morcegos no Sótão said...

Têm filhos e à alien! A criança não só parte a espinha e a bacia à gaja como o pai ainda faz uma linda cesariana com os dentes e arranca a placenta como os mesmos! It's real pretty! XD

Girl porn é o que eu chamo a este género de literatura, porque certamente não é isso que os fãs lhe chamam e muito menos os anti-fãs! XD
Nicholas Sparks, Nora Roberts, Danielle Steel... tudo girl porn softcore.

Lili

Guess said...

Ah, Lindo! xD Palmas!!
O Tretas anda animado, estou a ver! Anda aqui uma grande festa! =P

Mas, então, confirma-me lá uma coisa p'ra ter as ideias bem arrumadinhas. Isto aqui é o quê, dizes tu? xD :


" Ajoelhou-se na cama, apertando as coxas de Matt entre as suas. Sabia que era pálido e magro sob aquela luz sem sombra. Não se importava. Lambeu os mamilos de Matt, mordiscou-os ligeiramente, fez deslizar a língua, lentamente, pela barriga dele. Seguia a espinha de pelos. Sentia o cheiro de água-de-colónia e o cheiro do próprio Matt, um odor ténue mas duro, como o do ferro num dia gelado. O pénis de Matt era pequeno e direito, a cabeça de um rosa escuro, a haste de um rosa mais claro. Will beijou-lhe as coxas, lambeu-lhe as virilhas, puxou-lhe os pelos púbicos com os lábios. Quando Matt começou a gemer, Will mordeu-lhe as coxas, lambeu-lhe os testículos. Pensou na língua como uma chama e na carne de Matt como uma chaleira que queria ferver. Em breve ferveria. Matt começou a balançar as ancas e Will tocou-lhe no pénis, ligeiramente com os lábios.
- Oh – exclamou Matt e Will deteve-se. «Sofre», pensou. «Tens de o desejar.»
- Vira-te – ordenou ele."


Hahaha

Morcegos no Sótão said...

That's hardly girl porn!xD Bem, a não ser que gays literários também entrem na qualificação!LOL E, nesse caso, seria Hardcore GirlGay Porn. =P

MJNuts

Morcegos no Sótão said...

É hardcore sim senhor mas é todo um outro fenómeno. Mas também se pode enquadrar em girl porn! As gajas têm um fetiche qualquer com os gays. Não são só os homens com as lésbicas, não senhor.

Lili