Tuesday, July 3, 2007

Como Distinguir Aglomerados Humanos

Como deverá ser do conhecimento geral, a espécie humana é constituída por seres sociais. Um homem por si só não vale um chavo. A não ser que seja a esposa do Bill Gates raptada à espera de resgate, claro. Mas vocês perceberam a ideia.

Ora bem, como seres sociais que somos, temos comportamentos de grupo muito curiosos e facilmente identificáveis. Vou cingir o meu estudo ao humano mui particular que é o nativo de Portugal, porque digamos que também conheço pouco dos nativos das outras terras.

Vou-vos então dar umas dicas para saberem identificar o que faz um português juntar-se estereotipadamente ao bando de portugueses mais próximos...

1. Ajuntamento ordeiro diante de um posto ou de alguém aparentemente desinteressante

Se virem esta situação ocorrer, saibam que estão claramente a dar alguma coisa! Pode ser um iogurte ou um rebuçado ou até amostras de comida do gato ou do cão, mas alguém ali está a dar alguma coisa. Regra geral, o aglomerado toma a forma de uma fila indiana e pode chegar a atingir vários metros de comprimento, dependendo da oferta e do local onde esta acontece.

2. Ajuntamento de espécimes masculinos aos empurrões, alguns com a malfadada ideia de estarem de tronco ao léu

Se, neste caso, não sabes onde estás ou o que se passa, é provável que tenhas desmaiado, bebido demais ou consumido substâncias ilícitas. Mas eu ajudo. Espécimes masculinos desnudos e aos empurrões é o aglomerado típico dos considerados concertos de qualidade duvidosa para os espécimes progenitores destes machos de tenra idade. São concertos de música dita "barulhenta" e/ou "cheia de grunhos", geralmente de bandas esquecidas em meia dúzia de anos, às vezes menos. São aglomerados de forma irregular, que deixam sequelas por uns dias e têm tendência a irritar os espécimes teoricamente mais intelectuais e que ali se encontram por acaso do destino.

3. Ajuntamento de nativos de Portugal dentro de carros a andarem dolorosamente devagar e com a cabeça voltada ou para a esquerda ou para a direita

Se estás com pressa, eu sei como doem estes ajuntamentos. E, mudes para que faixa mudes, a coisa não melhora muito. Eis o típico aglomerado resultante do amor português às actividades voyeuristas! Se houver um acidente na estrada, todo o santo espécime português, independentemente do seu sexo, vai torcer o pescoço até à exaustão para avaliar a situação do comparsa acidentado e mais tarde poder falar do assunto, até como desculpa do seu atraso (mesmo que tenha saído de casa depois da hora combinada). Quanto mais grave o acidente, mais apreciará o caso o especíme português, chegando mesmo ao desplante de parar o carro.

4. Ajuntamento de espécimes não relacionados uns com os outros, agarrados a telemóveis e iPod's, diante de um local de referência

Eis o aglomerado a que todos acabamos por pertencer uma vez ou outra, invariavelmente, mesmo que, por magnificência dos genes, fujamos aos restantes. Por variados motivos, há sítios que toda a gente conhece. Se alguma vez estiveres à porta de uma estação de Metro ou nas bilheteiras de um cinema e vires pessoas com um ar tão impaciente quanto o teu ou talvez aborrecido, na maior parte das circunstâncias, fica a saber que estás a fazer parte do Ajuntamento n.º 4: bando de espécimes que tiveram o azar de chegar ao local combinado 1º que os seus companheiros de espécie social. É um aglomerado que ocupa dispersamente vários metros quadrados da região pertencente ao local icónico. Um conselho: socialmente, chega sempre atrasado.

Com um bocado de sorte, hão-de chegar-me aos olhos mais formas de Aglomerados Humanos que convosco possa partilhar. Por agora, não me ocorre grande coisa. Mas estas já são razoáveizinhas para sobreviverem na vossa vida de seres sociais.

MJNuts (a sentir falta de aglomerados, depois de dois dias de simulação de estudo em casa)

13 comments:

Diogo said...

Acho que no ajuntamento no. 2 também podias ter incluido as procissões para os jogos da bola.
Normalmente aí é bêbados, tronco nu, porrada, guerras de comida, acho que de tudo um pouco...

Morcegas no Sótão said...

Ah, as belas procissões para a bola, pois é. Nota-se bem na 2ª circular. =P Se voltar a postar sobre Aglomerados Humanos, tenho de pôr esse exemplo também. E o das procissões religiosas, já agora. E as manifestações! Eu sabia que me faltava alguma coisa!

MJNuts

Dawn said...

Muito boa distinção de aglomerados!
Realmente, aquele nº 3 dá cabo de qualquer um, e graças a Deus não tenho experiência pessoal do nº 2! O primeiro e o último lá são os mais fatais…
Típico português face ao nº1: a oferta pode não valer nada, mas o que é que interessa?? È grátis!

O blog está muito fixe. ;)

Morcegas no Sótão said...

Ah, o português e as ofertas... Nunca vi! E depois é giro, que escondem as coisas nos mais variados sítios e voltam à fila a cravar mais!XD É a cultura de um povo!=P

MJNuts

Anonymous said...

passo bastante pelo nº4.

Américo

Morcegas no Sótão said...

Não passamos todos?lol

MJNuts

Giovanna_morcega#2 said...

Nem sabes o que me apetecia fazer-te depois de ler o final do n.4! Só espero que nunca tenhas de depender da minha paciência para esperar por ti numa situação importante, porque sabendo a tua mais que manifesta preferência para chegar tarde e a (muito) más horas, um dia destes ficas pendurada. E depois não te queixes.

Odeio filas. Todos odeiam. Mas já reparaste que às vezes - e noto isto mais nas filas para comprar ou pagar alguma coisa, tipo cinemas - está um grupo enorme (3 já é uma multidão) numa fila e só um desses é que vai mesmo pagar/fazer alguma coisa quando chegar ao balcão?
«Toma aqui o dinheiro, tá tudo certo.»
«Oooohhhhh mas eu não quero ficar ali sozinha!»
«...Tá bem, eu vou ctg.»
«Onde é que vcs 2 vao?»
«Pagar a conta»
«Ah pera la k faço-vos companhia. ó Manel, anda lá!»
e de repente são uns 10 para quê...? Quando vamos a fazer contas, metade daquela fila estava ali por turismo, ou vítimas da pear pressure. (porque é para isto que somos cidadãos livres e dotados de vontade própria - para fazermos o que os outros querem!)

O que me leva a outra pergunta, relacionada com os iPods, tlms e afins: porque é que já ninguém sabe estar sozinho e desfrutar da sua própria companhia, por muito pouco tempo que seja? Que aconteceu à arte de Nada-Fazer? Dolce Fare Niente não nos diz nada?

Morcegas no Sótão said...

Eu profissionalmente sou muito pontual!=P Socialmente depende das pessoas com que vou ter (aqueles que são o cúmulo do atraso bem podem contar comigo meia hora depois!) e do que vou fazer. Nunca chego atrasada a um cinema, por exemplo. x)

Quanto a iPod's e telemóveis... Confesso que estar ouvindo uma musiquinha enquanto se espera por outrém ajuda o tempo a passar. Os telemóveis é só para exercer pressão externa sobre o atrasado!XD

MJNuts

Catarina said...

LOL ainda pensei q o ajuntamento nr 2 fosse relacionado com jogos de futebol tambem! O nr 4 temos d ter paciencia pois realmente pelo menos uma x por mes pertencemos a esse grupo :P Também podes acrescentar os ajuntamentos de pessoas nas paragens dos autocarros com ar de poucos amigos, os ajuntamentos pa comprar bilhetes pos U2 como se nao houvesse amanha, os ajuntamentos para comprar as playstations (alguem que me explique esta paranoia!) :P Sei la .. mas isto tambem ja é mais numa onda internacional eheh ***

Guess said...

Eu passo um bocado pelo 1!
Na gare ha sempre coisas giras a serem dadas! Desde novos Ice Tea's, amostras de Batatas Fritas, Yougurtes Líquidos, uma nova marca de bolachas ou uma saborosa bebida energética!

Uma pessoa chega cansada à Gare de um dia de escola ou trabalho e não consegue resistir aquele lanche de borla! :P
Não há nada de errado nisso.

Outra coisa é que, tendo eu mochila e havendo cerca de 5 pessoas diferentes a distribuirem as ditas ofertas, há a capacidade de termos um lanche em maior quantidade!

FREED FOOD! =D

Guess said...

"Os telemóveis é só para exercer pressão externa sobre o atrasado!"

Não sei se percebi ao certo o que querias dizer, mas a verdade é que ultimamente fiz um "estudo sociológico" sobre um aspecto em que o mundo mudou desde que chegou o telemóvel.

Não me refiro ao podermos fazer chamadas de longa distância ou termos uma agenda digital. É engraçado como o telemóvel se tornou uma forma subtil de aliviar o constrangimento que possamos sentir.

Por exemplo, uma pessoa chega a uma festa sozinha onde não conhece ninguém e a primeira coisa que faz quando lá chega é sacar o telemóvel do bolso, desbloqueá-lo e bloqueá-lo outra vez!

O telemóvel é um óptimo objecto para aliviar aquela angústia que sentimos por vezes quando estamos expostos.

Já tinhas pensado no telemóvel desta forma?

Morcegas no Sótão said...

Quando as pessoas estão à espera de alguém que está atrasado, normalmente o telemóvel serve mesmo para contactar essa pessoa. No caso de situações aborrecidas e/ou constrangedoras, a malta saca do telemóvel mesmo para ver se alguém atende a chamada ou responde às mensagens, porque assim o tempo passa mais depressa. Já, já tinha pensado no telemóvel dessa forma. ;)

MJNuts

PP said...

Acho que já fiz parte várias vezes dos 4 aglomerados uns mais que outros... O 3 e o 4 pra mim são os piores!! Odeio filas de transito e estou constantemente no meio delas.. o tempo que se perde é do mais inutil q pode haver.. Quanto ao 4 eu n gosto nada de ficar a espera e costumo normalment chegar atrasada mas é aquele atraso de minutos nada de especial.. infelizment tenho tendencia a dar-m com pessoas que se atrasam imensooo o q torna a espera num momento terrivel normalment arranjo alguma coisa pra fazer e peço à pessoa pra me dar um toque qd chegar sn as vezes o tlm nem é tanto pa pressionar é mesmo pa distrair tipo jogar alguma coisa ou assim.. Lol

Gosto do aglomerado das estações de comboio ou dos aeroportos.. As expressoes ansiosas, as separaçoes, os reencontros..

Gostei do post ;)