Sunday, March 2, 2008

Sexo, Sexo Fálico, Sexo sem Falo e o Que Freud Fez de Todos

Ora portanto... De sexo todos falam e tenho vindo a notar um facto curioso sobre esta matéria em todas as pessoas com quem falo, independentemente das suas orientações sexuais. Preparem-se para um post com palavras que fazem os adolescentes darem risinhos idiotas. E se o meu discurso às vezes soar badalhoco, peço desculpa. Ao contrário do que possa parecer, estou a tentar abordar o assunto com seriedade. Ah, e aviso desde já os seres potencialmente menos dotados a nível de vocabulário que falo é pénis.

Para uma grande percentagem das pessoas, homens ou mulheres, o conceito de sexo sem a existência de um pénis é estranho, improvável ou simplesmente muitas vezes nem é tomado como sexo.

Há uma grande "guerra" entre as diferentes orientações sexuais, o que suponho que seja normal. É mais difícil compreender o que não se conhece. Então temos homens heterossexuais a não perceberem os homens gays, homens gays a não compreenderem as lésbicas e a desejarem os homens hetero, mulheres hetero a não perceberem como é que as lésbicas se orientam, mulheres lésbicas a tentarem perceber se fazem sexo ou não. E depois, claro, temos os bissexuais muito felizes que percebem o lado de toda a gente. Convém de facto ser bissexual e não fingir apenas por questões sociais, porque senão a compreensão fica à porta de qualquer das formas.

Ouvindo as conversas e pesquisando um pouco sobre o assunto, facilmente se descobre que todo o conceito de sexualidade está amplamente baseado no pénis. Há até autores que defendem que o orgasmo feminino não é uma necessidade biológica, pois é independente da reprodução, ao contrário do orgasmo masculino - quase sempre associado à ejaculação. Isso faz do orgasmo feminino um evento quase mítico e dificilmente explicável. É suposto nós, mulheres, não termos prazer? Por outro lado, as contracções das paredes uterinas durante o orgasmo talvez até dêem alguma luz aos espermatozóidezinhos à procura de vingar, mas desconheço se isso já foi provado ou se estou a divagar.

Não sei onde isto começou, mas a verdade é que até o conceito de virgindade está vinculado ao pénis: popularmente, uma mulher deixa de ser virgem quando há penetração vaginal por um pénis; um homem perde a virgindade quando penetra pela primeira vez. Segundo este raciocínio, um homem gay perde a virgindade também, pode é penetrar outros orifícios. Então e as lésbicas hardcore que morrem aos 80 e só tiveram relações com mulheres? Morrem virgens?

Segundo a Igreja Católica, a virgindade não passa tanto pela penetração. Ou antes, passa obviamente pela penetração, mas é um conceito exclusivo da heterossexualidade. A Igreja assume uma postura em que o sexo tem fins apenas reprodutivos (daí a posição contra métodos anti-concepcionais), logo a virgindade só se perde numa relação homem/mulher com esse propósito. Sexo por prazer não é tomado em consideração. Um homem gay, apesar de penetrar, é pecador E virgem aos olhos da Igreja. E as lésbicas voltam a morrer virgens.

Em termos de relação sexual propriamente dita, não é preciso ser muito inteligente para perceber o que fazem os casais, sejam hetero ou gays. Entre penetração, masturbação, sexo oral e trocas de posições, toda a gente se diverte. Parece-me óbvio também que eu, como mulher, nunca poderei saber o prazer que invade um homem no seu pénis (embora o possa imaginar), da mesma forma que um homem nunca poderá saber o que eu sinto na vagina. As mulheres não têm pénis, os homens não têm vagina, torna-se complicado perceber a diferença do prazer de um ou outro.

Então porque é que apesar disto, de todos fazerem as mesmas coisas (usando diferentes métodos, técnicas, órgãos ou orifícios), porque é que ainda assim há o preconceito de sexo sem pénis não ser sexo? Ou ser uma espécie de inferior sex? O propósito básico de uma relação sexual, pondo de lado a questão reprodutiva, não é atingir o orgasmo e dar prazer ao parceiro de modo a que ele atinja também o orgasmo?

A origem deste preconceito pode não ser freudiana, mas sem dúvida que Freud a expressou claramente. Para o pai da Psicanálise, a sexualidade é falo-cêntrica e, segundo ele, o Inconsciente deseja sempre o pénis. Assim sendo, os homens temem a castração (o que no Complexo de Édipo se vai reflectir no ressentimento para com a figura do pai) e as mulheres desejam ter pénis (o que no Complexo de Elektra se vai reflectir no desejo pelo pai). Portanto, mais uma teoria que deixa mal as lésbicas e, mais do que as lésbicas, torna as mulheres umas eternas desesperadas na busca do pénis que só poderão obter como seu se fizerem uma operação de mudança de sexo.


Acho que tudo isto ainda vem confirmar as estatísticas de que há mais homens gays do que mulheres lésbicas e de que há mais transsexuais (este ainda é o termo correcto e não ofensivo?) homens a quererem ser mulheres. Terminando tudo no desejo pelo pénis, certo? Ou seja, estatisticamente, o desejo por vaginas também há-de ser inferior em número.

Não sei que pense de tudo isto. Não acho que um casal heterossexual faça mais ou menos do que um casal homossexual. Acho que tem essa grande vantagem que é a de, a dado momento da relação sexual, o pénis estar em contacto directo com a vagina - mais concretamente encaixados - e ambos os parceiros podem retirar imenso prazer disso. Numa relação homossexual, não creio que as pessoas fiquem próximas de orgasmos por andarem os pénis ou as vaginas a baterem uns nos outros... Bem, mas há malucos para tudo. E há estratégias para dar a volta por cima de tudo, por isso tenho a certeza que, com ou sem pénis, quem não é virgem nem assexual está a divertir-se a ter sexo.

Só gostava era de perceber porque é que uma orientação sexual tem de perguntar a outra, como se fosse a coisa mais esquizofrénica de sempre: "mas afinal o que é que vocês fazem?". Hum... Parece que a minha mente é mais perversa que a do humano médio e consigo dar resposta a essa pergunta em várias vertentes...

MJNuts

21 comments:

K1111 said...

Então mas essa pergunta é a mais fácil de responder de todas...
"O que é que vocês fazem?"

Fazemos amor! XD

Agora a sério, se alguém não consegue imaginar o que é que duas pessoas com uma orientação sexual diferente da sua fazem é porque tem um défice de imaginação e de conhecimento anatómico GIGANTESCO! XD
Pretty much anything can be done! Seja com 1 pénis e 1 vagina, 2 vaginas, 2 pénis, 2 mãos, 2 pés, 2 línguas, 3 vaginas e 2 pénis... e com 365 dias do ano para gastar!

CHESB

Morcegos no Sótão said...

LOLOL

Não é?? Mas o que se passa com a criatividade das pessoas? Isto de abrir as mentes para a perversidade é algo complexo, começo eu a ver... E eu que pensava que a pornografia já tinha tratado disso tudo!xD

MJNuts

Pedro Rosa said...

Ai! O que me diverti a ler esse tópico, lol, muito bom mesmo! ***

Guess said...

De facto tens razão.
Tu, que até não és grande adepta de pornografia, tens a capacidade de compreender melhor que a maioria das pessoas com «vida sexual activa» (não gosto desta expressão) os imensos lados da coisa que existem!

Acho que por um lado, o "o que é que vocês fazem" é já estereotipo, que até já existe aquela piada que aquilo que as lésbicas fazem é tipo carrinhos-de-choque! xD

Anyway, é tudo sexo, é tudo prazer, é tudo bom! E as pessoas têm a mania de dizer que "Freud explica tudo", mas Freud viveu em tempos demasiado antigos p'ra poder explicar metade das maravilhas que decorrem nos dias de hoje!

Guess said...

Por outro lado, dizes-te tão compreensiva e "open minded"...

És capaz de compreender que há pessoas que atingem um prazer extremo com sexo animal?

Sei que não compreendes (ou pelo menos sempre me deste a entender que não) os tão chamados golden-showers ou mesmo o facto de haver merda (literalmente) envolvida no acto sexual.
Por muito esquisito que seja, há gostos para tudo! Tudo mesmo!
E não te acho capaz de compreenderes estes exemplos mais extremos.
Se o teu parceiro te pedisse p'ra lhe lançares dejectos em cima ou simplesmente para lhe chicoteares o rabo ou até escarrares-lhe a cara, conseguias entendê-lo? Eras capaz?

Morcegos no Sótão said...

Compreender é diferente de praticar...

E sou contra as práticas sexuais com animais, da mesma forma que sou contra a pedofilia. Acho que um bebé ou um cão não têm uma noção exacta do que lhe está a acontecer, não têm uma escala de valores, não se podem defender. É óbvio que o prazer retirado dali não tem grande mistério: há uma vagina ou um pénis a serem estimulados, não interessa o meio de estimulação. Pessoalmente, graças a quem quer que seja que as minhas taras não dão para aí. Critico, acho incorrecto, não o faria, mas compreendo os mecanismos associados.

Quanto a golden e brown (?) showers... São uma tara. Sei lá, podem ser vistos como preliminares? Como uma forma de estar mais próximo da pessoa? Se me pedissem para o fazer... Não sei. Suponho que dissesse que não, mas nunca fui confrontada com a situação. Mas é uma questão de confiança e aceitação dos gostos do parceiro. E de facto há gente para tudo...

Não se pode dizer que eu sou a pessoa mais sossegadinha e vulgar no que diz respeito a bed business. Às tantas ando a fazer alguma coisa que outros julgariam estranha... Ou não? ;)

MJNuts

Duriel said...

Lá está, fala-se de sexo e o blog ganha vida :D.

Também não percebo as pessoas que perguntam "O que é que voçês fazem"... É preciso uma imaginação muito curta mesmo.

Sebem que, um aspecto que não falaste, é que isso é uma forma óptima para começar uma conversa interessante com uma lésbica... Imagino que mais que uma das pessoas que perguntam "O que é que voçês fazem", sabem perfeitamente, querem é ver a outra pesssoa a tentar desviar-se/descrever/etc...

Rita said...

@s bis estão na melhor posição de sempre.
Os gays são amados p/ tds os que n sejam homofobicos
as lésbicas são vistas como estranhas
e os transexuais... eles sao apenas vistos como estranhos 8)

Pessoalmente, são escolhas, ou não, e portanto são todas pessoais, intransmissiveis e válidas.

Quanto a aceitar fetiches/fantasias, bem isso depende das fantasias mas especialmente do parceiro. E se têm exa designação eh porque sao algo diferente... Mas eh sempre possivel xegar a um acordo...e quando tal acontece a fantasia eh aprtilhada e passa a ser de AMB@S.

Quanto ao o k eh k vcs fazem... diz-se que existe vida para além do penis ;)

Rita said...

correcção:

os transexuais sao apenas vistos cm aberrações

Morcegos no Sótão said...

"Imagino que mais que uma das pessoas que perguntam "O que é que voçês fazem", sabem perfeitamente, querem é ver a outra pessoa a tentar desviar-se/descrever/etc..."

Concordo que isto possa acontecer, muitas vezes até... Engraçado que nunca me ocorreu tal coisa!xD Se perguntar algo do género, é porque não sei mesmo e quero saber!lol Mas faz sentido. =)

Acho que os transsexuais não deviam ser encarados como aberrações. Montes de males do Mundo não aconteceriam se nós pudessemos escolher.

MJnuts

Aurora said...

Suponho que o contraponto ao teu "a relação heterossexual tem a vantagem de haver pénis em contacto directo com a vagina" é que no sexo homossexual a probabilidade de conhecer o prazer que o(a) outro(a) está a sentir é maior... ;)

Quanto ao resto... quem precisar de saber descobre sem perguntar, e desconfio que a maior parte das pessoas que perguntam não quer de facto saber... só quer mesmo perguntar...

Siona said...

Na verdade, há provavelmente (muitas) mais pessoas a fazerem a transição no sentido rapariga-rapaz, do que o contrário. Um estudo conduzido na Polónia, por exemplo, indicava 5 homens transsexuais (ou seja, quem nasceu com um corpo biologicamente feminino, mas que se sente melhor num papel de género masculino) por cada mulher transsexual (o caso oposto). Nas consultas de transsexualidade do SNS, também há bastante mais rapazes do que raparigas, e, no meu círculo de amigos, é o mesmo.

Os homens transsexuais são é muito menos visíveis - a terapia hormonal dá-lhes um aspecto completamente masculino numa questão de meses - enquanto que, clinicamente, as coisas são mais complicadas para as raparigas (muitas vezes não basta a terapia hormonal, são precisas também cirurgias faciais, caras e não-comparticipadas, e a maioria desses procedimentos, como a reconfiguração do maxilar, só estão disponíveis noutros países), e é isso que contribui para a impressão geral que eles quase nem existem.

Nem todas as pessoas transsexuais querem fazer a cirurgia genital - o importante é a vivência no outro papel de género, e os genitais não têm impacto na maneira como os outros nos identificam como homem/mulher, no dia-a-dia.

Preferimos os termos "pessoas transsexuais", "homem transsexual" ou "mulher transsexual", ou, melhor ainda, "homem" / "mulher" :)

E a Rita está errada, felizmente. Já existem muitos contextos onde as pessoas transsexuais não são só toleradas, mas também tratadas com respeito igual, e até ajudadas por quem nem sequer antes as conhecia. No meu caso, e de muitos amigos, a lei discrimina-me mais, pondo-me obstáculos imensos e demorados à mudança do nome, do que as muitas pessoas que não só nos aceitam, como nos dão força e ânimo :)
Isso acontece porque têm a oportunidade de conhecer *as pessoas*, não o preconceito estereotipado. Aliás, foi o mesmo processo pelo qual as pessoas homo e bissexuais tiveram (e ainda têm) de passar...

giovanna said...

Acho que este post foi o melhor que já escreveste até agora!
«E as lésbicas voltam a morrer virgens.» - esta frase pôs-me a rir às gargalhadas :p as lésbicas são o maior dilema da sexualidade, não são?
É um mundo falo-cêntrico, de facto.

Só há uma pergunta que aproveito para colocar. E a masturbação? Não é também um tipo de actividade sexual?
É que por norma é um acto muito solitário, e associado ao desespero por contacto (sexual, mas não só), mas também acaba por figurar nas fantasias sexuais de muita gente, (em especial se envolver mais que 2 pessoas), e lembro-me de ler um postal no Post-Secret de alguém que achava a masturbação melhor que o sexo com outra pessoa. E desconfio que um ginecologista - como outros profissionais do sexo - considera esta prática também como sexo.
De qualquer maneira, já ouvi muita gente a referir as actividades de lençol com os mais variados parceiros, ou sobre as suas taras, mas *nunca* sobre o que fazem quando estão sozinhos e o desejo é grande...

Morcegos no Sótão said...

Ahah, é sempre bom ter a aprovação da minha Morcega companheira!;)

Eu acho que a masturbação enquanto acto solitário é uma actividade sexual, com certeza, mas não sei se é considerada como sexo... Isto porque quando se fala em sexo, fala-se geralmente de uma experiência a 2 (no mínimo). Masturbação é... masturbação. Não duvido que o povo fantasie sozinho e de onde ou a ver o quê gostariam de se masturbar, mas é uma espécie de pré-sexo. Não?

Obrigada pela tua opinião e insight, Siona. =) Confesso que o meu conhecimento sobre a transsexualidade é reduzido, porque infelizmente nunca contactei directamente com nenhum/a, mas tal como defendo o direito à sexualidade de heteros/bis/homos, acredito que os transsexuais têm total liberdade para viverem a sua sexualidade com o género que é seu.

E excelente contraponto heterossexualidade vs. homossexualidade, Aurora! Obrigada pela tua opinião!=)

MJNuts

Mia said...

xiii grande orgia!! lol brincadeirinha ;)

mundo falocêntrico, tá boa essa... de facto, é o k é este mundo cruel, falocêntrico, e a descentralização afronta mta gente mas é o futuro...

Twin said...

Pois é como já alguém disse o blog desta vez teve moooontes de comentários. Estranho...
Gostei muito do post Twin, achei muito interessante os contra-pontos que fazes entre as várias sexualidades, e a grande questão da virgindade!Muito interessante essa parte "as lesbicas morrem virgens". Fez-me pensar! Realmente a expressão falo-cêntrico explica muita coisa (vou passar a usá-la mais vezes!!! lol)dá para tirar umas ideias engraçadas acerca da nossa sociedade e enfim... as varias heranças que ainda vamos tendo, nomeadamente pelos ideais da igreja que de certa forma foram moldando a nossa maneira de pensar e a forma como a sociedade vê as coisas. Um facto é que muitos de nós n somos católicos nem religiosos mas damos por nós a ter muitos desses pensamento ou se quiserem "perconceitos". A sociedade portuguesa é muito fechada, então no que toca ao tema Sexo! Ui.... lol Vai-se lá pensar então em mais do que um sexo, as beatas ficam malucas!!!

MJNuts said...

LOL Grande twin!xD

As pessoas adoram falar de sexo e sexualidade, as opiniões saltam todas cá para fora!;P E concordo contigo, apesar de muitos de nós não sermos religiosos, alguns dos princípios católicos (no caso do nosso país) afectam bastante a nossa conduta...

Gossip Boy said...

bem, transexuais ainda é a palavra que se usa (mas para designar um trangénero que já foi operado genitalmente).

a psicanálise já deixou muito de lado o machismo dessa teoria da "inveja do pénis" que era um motor da sexualidade feminina, já uns quantos autores post-Freud que falam sobre isso.

quanto à pergunta, concordo que seja a mais ridícula da vida... a mim já me fizeram algumas parecidas e eu digo para imaginarem (e acho que as dúvidas são mais falta de informação do que outra coisa qq, já que uma sociedade homofóbica fecha os olhos às minorias).

a sexualidade é expressão dos afectos. é procura do prazer. é o que quisermos fazer dela. desde que seja consensual, só faz é bem.

e sim, fazemos amor como qualquer casal hetero, como qualquer casal de lésbicas, como qualquer casal. simples, não?

parabéns pelo post, se gostas de psicologia, check my blog*

Gossip Boy said...

ah e sim, o Distúrbio da Identidade de Género afecta três vezes mais homen do que mulheres ;)

Analuka said...

Muito interessante o texto, e também a discussão suscitada! Sim, a algumas pessoas parece faltar mesmo imaginação, mas... felizmente, sempre existem algumas mentes e almas mais arejadas, hehehe! Abraços alados.

Diana said...

Este deve ter sido um dos melhores posts q alguma vez li x)

Quanto há não comparticipação da mudança de sexo não é verdade... Sei q agr a mudança de sexo já é 100% comparticipada .

Acho q realmente o mais importante é definir a virgindade. Aqi há uns dias perguntaram a um amigo meu se ele era virgem ao q ele respondeu 'da mão, não sou' ! 1º deu.me vontade de rir, mas dps fiqei na dúvida se também pode ser considerada uma forma de virgindade, visto q, tal como o sexo, o objectivo é ter prazer.

E cmo diria Woody Allen "Não despreze a masturbação - é fazer sexo com a pessoa que você mais ama." lol