Monday, May 31, 2010

Lxnet e o Mundo

Leitores do Tretas, vem aí assunto sério. Bem, o que vos quero mostrar não se pode definir como algo que seja sério, mas o contexto em que o quero encaixar é, talvez, um pouco frágil. Quero, desde já, deixar aqui assente que não é minha intenção tomar partido algum, nem muito menos opinar sobre a personagem que estão prestes a conhecer. Não quero ofender nem elogiar ninguém e se a minha opinião vier ao de cima, o que é provável que aconteça de forma subtil, perdoem a criatura crítica que existe em mim.

Este é o Bruno:



O Bruno não faz falta aos Ídolos e, como tal, o que ele decide fazer é pegar numa câmara, pintar o cabelo de cor-de-rosa - o cor-de-rosa mais berrante que os meus olhos já viram -, e ir para as ruas de Lisboa filmar a cidade como ele a vê.

Dito deste modo, até a mim me parece ser uma atitude bastante natural. O que não falta ao YouTube são vídeos inúteis e desnecessários sobre o irrelevante e o pouco importante que há neste mundo. A partir daí, o Bruno é bem-vindo a partilhar, virtualmente, todos os seus caprichos da imaginação, todos as suas fantasias, sonhos e quimeras.

Mas há devaneios que dão que falar mais que outros. Este é o Bruno e o seu programa, Lxnet:



...

Foi-me mostrado este vídeo ainda hoje e a pessoa que o fez avisou-me previamente que a personagem que me iria apresentar envergonhava toda a comunidade gay e que só tinha vontade de o esmurrar. À medida que o vídeo decorria e o víamos naquela sala minúscula, alguns riam, outros abanavam a cabeça incrédulos, outros ficavam irritados e uns diziam ainda estar a ficar mal-dispostos.

Este é o Bruno, que não se vê todos os dias, mas que podemos encontrar nos comboios da linha de Cascais, na Baixa-Chiado, no Starbucks ou, claro, no Trumps. São imensos os vídeos que podem ver no YouTube e que fazem parte deste programa, denominado por Lxnet. O que podem encontrar, também, juntamente com estes vídeos, são as famosas partilhas de opinião:

«morre paneleiro do crl»

«n dizes pão! Pede para cagar e sai.»

«és o quê? lisu ou... liso again... fonix deves ter um gosto de existir.»

«que nojo ...»

«falece»

«então e que tal calares essa boca de merda e utilizares aquilo que a tua mãe te deve ter dado, chamado cérebro. Hein?»

«lol, ele ta a gozar, deve ser uma cena a gozar com os Americanos ou assim...»

«oh meu idiota, primeiro eu gozei com ele. Portanto wtf para levares tão a peito uma piada sobre um puto gay, ofendi-te foi? e segundo, achas mesmo que aquilo vai continuar assim para sempre? quando tiver 30 já tá noutra onda... portanto, fuck off!»

Este é o Bruno e as suas frases características, que vai repetindo ao longo de todos os seus vídeos:



«hi bitch! migo tens de pintar essas raízes. take care.»

Eu, por vezes, rio-me. Rio-me especialmente no minuto 2.34, quando ele emite uns sons estranhos e faz uma expressão hilariante para o seu lado esquerdo. Por vezes, também me faz confusão. Choca com aquilo que eu acho que deveria ser. Mas quem sou eu? Com certezas vos digo que não conseguiria conviver com este ser e a pessoa que ele mostra nestes vídeos não é a mais interessante. Mas é chocante. Não interessa se o é no bom ou no mau sentido. Estes testemunhos nas ruas de Lisboa são chocantes.

Parece-me um pouco demais os comentários que possamos fazer, que definem isto como lixo e como parte do mundo que não deveria existir. No entanto, no meu meio social, admito que palavras semelhantes me pudessem sair da boca.

Mas, depois, lembro-me: whatever makes you happy.

Sim, é assustador e, sim, à primeira vista, parece manchar a ideia do que é um homossexual, mas, a verdade, é que também existem heterossexuais idiotas, se assim quiseremos definir o Bruno. A questão não é tratar-se de um paneleiro que não deveria existir, mas, sim, de um idiota que não deveria existir (usando palavras que não me pertencem). Não quero, de modo algum, entrar na discussão, já cansativa, das sexualidades e da discriminação, mas, digam-me: o que acham vocês do Bruno? Eu ando a aprender a ser mais tolerante.

Deixo-vos com mais um vídeo do Bruno. Aquela conversa sem teor que não se percebe de onde vem. Que vidas. Mas, bem, sem mais demoras, Lxnet - Bichas na baixa!!




Guess

8 comments:

Pintas nos Olhos said...

Por onde começar?

Totalmente produzido, falso e não natural. Nada ali é fruto do acaso. É uma pena. O Bruno constrói a sua identidade assim.

Ninguém fala daquela maneira, as constantes expressões inglesas que usa são usadas em exagero fora de contexto e sem significado. Nem um americano falaria assim. Além do mais? De onde é é Bruno afinal? Dos USA? A necessidade de ele falar tantas vezes em inglês à maneira de Paris Hilton e Nicole - as expressões são delas, não veêm de mais lado nenhum - diz-nos o quê em relação à sua relação com a sua nacionalidade?
O Bruno vive dentro da sua cabeça, whatever makes him happy. Na cabeça dele, ele é uma gaja que esteve prestes a ser atropelada. É sexy, linda e maravilhosa, mas não mostra grande conteúdo. É como dizes, a questão não é ser paneleiro, mas sim um idiota, fútil e infantil, que não devia existir.

O Bruno é uma personagem, nada mais. Dentro dele haverá uma pessoa que ninguém conhece, só ele. Essa pessoa muito provavelmente assusta-o.

Morcegos no Sótão said...

O Bruno tem tanto direito como qualquer outro de contribuir para as infinitas bases de dados do YouTube.

Eu pessoalmente não sou nada a favor de attention-seekers e easyfame-seekers e, como tal, não me vou sequer dignar a ver estes vídeos. Nunca vi os dos outros parecidos e diferentes a ele, não é agora que me vou começar a dar ao trabalho.

MJNuts

Dora said...

MAS QUE MERDA É ESTA?? É só o que me apraz dizer...work it.

Vou divulgar este teu post. É mesmo preciso.

Como se dizia nos meus tempos de liceu: este gajo só com um pau enfiado no cú.

Dora said...

Ainda não consigo articular uma frase...este gajo supera a Katyazinha.

Fi said...

Ok.
Ponto 1: NINGUÉM com aquela boca devia usar snake bites! Plo amor da santa... -.-"
Ponto 2: desde quando é que estes vídeos se intitulam como um "programa"? xD

Bem, quando vi este Bruno a primeira coisa que me fez lembrar foram estes outros aqui:
http://www.youtube.com/watch?v=RTbo-b5w4vY
http://www.youtube.com/watch?v=A4prSNgp26I
http://www.youtube.com/watch?v=7DiVJE4M6yM&feature=related

Claramente que o Bruno não foi muito original (nem na escolha da cor do cabelo xD).
Esta gente também ficou "famosa" graças às internetes. E como estes há muitos outros. Uns com alguma piada, outros simplesmente parvos. Mas são muitos os que procuram a atenção e a fama nestes variados meios.
De qualquer das formas, eu não percebo as tais criticas imensas à criatura. Ou o chocante dali. A meu ver não há assim nada de muito chocante...
É a imagem? é a maneira de falar? é aquilo que ele diz? é que ele nem diz nada que possa ser considerado chocante, porque basicamente não diz NADA lol
Sinceramente não é nada que já não se tenha visto. O mundo está cheio de personagens, boas e más.
Claro que é attention seeker, mas e depois? Não é o único e certamente não será o ultimo pelos youtubes da vida.
Se ele gosta de fazer vídeos desprovidos de conteúdo enquanto anda a passear por Lisboa para depois os publicar no youtube, é lá com ele.
As you say, whatever makes you happy.
E se é aquilo que o faz feliz neste momento, força. Que seja feliz então.
Eu não tenho que ser a favor ou contra aquilo que o Bruno ou outra pessoa qualquer lhe apetece ser (de acordo com os limites do bom senso, vá, não estou praqui a defender quem lhe apeteça ser homicida ou afins XD). Desde que ele não me chateie pessoalmente, tudo bem.
Ainda temos liberdade de nos exprimir como nos apeteça, seja a proclamar verborreias pelas ruas de Lisboa, a pintar o cabelo de rosa, a chorar pela Britney Spears, ou a dançar lady gaga nos campos holandeses :P

Não devia existir? O Bruno tem todo o direito a existir assim como qualquer um de nós. Tem tanto direito a existir como eu tenho direito a dizer que os piercings lhe ficam super mal e que devia cuidar melhor daquele cabelo.
Tem tanto direito a existir como tu tens de fazer um post sobre ele.
Quem somos nós para julgar a existência de um ser só por uns vídeos no youtube? lol
Se não se gosta de attention whores deste tipo, é simples, é só fazer ali como a MJNuts e não ver os ditos vídeos. Simples.
E se se esbarrar com eles na rua? Pois, é a vida. Deal with it. xD

P.S - Pessoalmente acho fantástico como é que alguém consegue verborrear tanto sobre NADA xD

Ricardo Pinto said...

Em relação ao que a Pintas nos Olhos disse: eu acho que ninguém é natural junto dos outros. Toda a gente faz teatro, toda a gente encena; ninguém é como realmente é. Aliás, será que há maneira de mostrar a nossa essência aos outros?!

O Bruno tem necessidade de se exteriorizar. Os comportamentos dele são imediatamente associados àquilo que é conhecido como 'comunidade gay'. Bem, se existe esta comparação por alguma razão ser'a. Não estou a dizer que a discriminação seja uma coisa boa. Mas a verdade é que os estereótipos existem para regular e facilitar as interacções humanas; com eles sabemos o que esperar de determinado sujeito. Mas também é verdade que estes mesmos estereótipos são a causa de muitas violências, neste caso a homofobia.

A questão é: Porque é que quando se fala de homossexualidade aparecem sempre estes estereótipos exagerados à baila?! E se aparecem, porque é que são vistos como uma vergonha para a 'comunidade' (uma espécie de ovelha negra que envergonha a família)?

Sinceramente, acho que a liberdade dele termina quando começa a minha e, por isso, desde que ele não ultrapasse essa fronteira devo respeitar.

Uma Pessoa said...

Ai que felicidade, por momentos pensei que isto fosse teu Maria.. eu sei eu sei, peço desculpa. :P

A pergunta nem é tanto o que faz um idiota destes na terra, a pergunta é mais o que fazem tantos outros idiotas que dão atenção a idiotas como este.

Luís Bernardino said...

Eu produzi ruídos cuja complexidade fonológica pode apenas ser expressa pelo verbo "lolar".