Monday, September 24, 2007

Submundo Gay

Sendo este um blog onde nenhum assunto é tabu, mais tarde ou mais cedo, a homossexualidade seria aqui tratada. Não pretendo aborrecer ninguém com conversas sobre a natureza da homossexualidade ou a discriminação que existe - para isso já nos chegam os filmes, os livros, as reportagens ou aqueles documentários aborrecidos e irrelevantes, que começam a crescer em quantidade notória.

A forma como as pessoas lidam com aqueles designados por gays tem vindo a sofrer constantes alterações ao longo dos tempos. Embora agora as pessoas sejam mais racionais (não é?) e já não olhem a SIDA como uma doença demoníaca exclusiva dos homossexuais, a verdade é que parece que haverá para todo o sempre um conflito e um preconceito entre os heterossexuais e os homossexuais - perdoem-me por estar a usar imensos rótulos para designar as pessoas, mas não há outra forma de tratar este assunto.

Pergunto-me se este preconceito notório será motivo suficiente para levar homossexuais a criarem um submundo gay onde se possam refugiar. Clubes, bares, discotecas e até mesmo bairros inteiros. Cada vez é maior o número de espaços e locais onde, embora não exista nenhuma exclusividade para gays, a presença destes é de tal modo esmagadora que passam a ser os seus territórios, por assim dizer. Pessoalmente, conheço até pessoas que, após se assumirem e terem visitado, inocentemente, alguns desses locais tão tipicamente gays, não procuram mais outra coisa.

A verdade é que compreendo a sua opção e a sua atitude. De certa forma, é uma auto-defesa a criação de locais onde sintam que podem dançar, andar e agir como querem e lhes bem apetece sem sentirem que estão a ser julgados e apontados. No entanto, o seu afastamento da maioria da sociedade em busca de conforto aumenta ainda mais a profundidade do foço que existe entre gays e heteros. Será vantajosa ou realmente necessária a criação destes lugares? Quero dizer, não existem discotecas que sejam nomeadamente para heterossexuais. Ninguém conhece uma discoteca por ser visitada por heterossexuais. No entanto, existem inúmeras discotecas gay que assim são assim referidas.

Não tomo nenhum partido. A minha opinião é "neutra". Queria saber a vossa.



A famosa discoteca gay em Lisboa no Rato - Trumps.


Guess

7 comments:

K1111 said...

"Ghettos" existem na humanidade desde sempre e criam-se por todo o tipo de razões. Eu acho que é um acto natural, mesmo querendo evitar a descriminação, as pessoas criarem nichos com outras pessoas com que se identificam. É em tudo e não só na orientação sexual. Tens submundos para mil e uma coisas.É claro que o facto de não serem julgados pesa muito mas é natural as pessoas necessitarem de um espaço onde possam falar com pessoas com os mesmos interesses que elas ou hábitos ou paixões. Desde o "geek" do star wars ao clube de botânica da Maria Joaquina. Porque nesse clube de botânica tu sabes que vais encontrar alguém que sabe falar contigo como deve ser de plantar camélias e tem a paixão pela jardinagem que tu tens, que à maioria das pessoas com quem te dás não diz absolutamente nada. Isso não quer dizer que as pessoas não se possam dar fora desse contexto. O mundo é grande :p É preciso é as pessoas saberem abraçar os gostos dos outros mesmo que completamente diferentes dos delas ou então deixá-las em paz para viver a sua vida. Isso julgamento alheio há-de haver sempre e para tudo, como na história do burro, do velho e da criança.
Mas isto é assunto que dá pano para mangas...

CHESB

Guess said...

Sim, o que disse relativamente ao submundo gay podia ter dito também relativamente ao submundo gótico ou dos geeks, como referiste :P

Preferi escolher o submundo gay, porque é mais polémico e existe realmente um grande conflito entre gays e heteros, que não se nota tanto entre góticos e não góticos ou entre pessoas que gostam de jardinar e pessoas que não gostam de jardinar.

Concordo com o que disseste. Não pretendi dar a minha opinião com post (tanto que apresentei os 2 lados da situação), mas a convivência entre gays e heteros gera um conflito imenso que não existe com tanta intensidade entre outros grupos sociais.

Obrigado pela opinião =)

K1111 said...

Eu não tava a criticar a tua opinião, tava falando do acto de criar locais de isolamento em geral. Realmente entre as pessoas que gostam de jardinar e não gostam de jardinar não se nota conflito nenhum XD Mas em relação ao resto... tudo o que as pessoas acham fora da norma vai inevitavelmente levar a julgamento e conflito. Claro que ninguém acha jardinar fora da norma. E ninguém vai julgar uma pessoa que faz jardinagem. Mas eu não "percebo" o porquê do conflito entre gays e heteros. Mas eu também não tou muito dentro do assunto, por assim dizer. Por isso pergunto, se um casal hetero entrar dentro de uma discoteca gay vai ser tão olhado de lado quanto um casal gay que entre numa discoteca suposta hetero? Eu gostava de acreditar que isso hoje já não é tanto asssim... Mas lá tá não faço ideia que por aqui em baixo acho que não há um submundo gay tão grande, no que toca à noite.

CHESB

alguém said...

A minha opinião é tudo menos neutra. Sou parcial porque sou pró-liberdade, desde que esta venha intimamente ligada ao respeito.

É curioso como as pessoas têm facilidade em apontar os dedos. Mas se observarmos com atenção, não me parece de todo pouco humano que isso tenha acontecido durante séculos, criando o chamado preconceito homosexual.

Tal como o homem evolui com o tempo, também uma sociedade evolui. Numa determinada altura quem sabe se esses preconceitos não foram a salvação desta mesma humanidade?

E hoje eu sei, o ser humano antes de homo ou hetero, é um ser sexual. Ponto final. A partir daí, a satisfação de cada um é isso mesmo, a satisfação de cada um; única e inigualável à de outro ser humano qualquer.

Posto isto, não tenho dúvidas em dizer que há pessoas que se satisfazem apenas com pessoas do sexo oposto, outras apenas com as do mesmo sexo e outras com as dois sexos. Cada um sabe de si, desde que viva pelo amor.

Um abraço do teu amigo Pascoal

Rita said...

"Gosto de pessoas." Acho que diz tudo...

A verdade é que quanto mais se esconde a realidade e mais esta se torna "secreta" é menos aceite pela opinião pública ou público em geral.

A tendência de nao evidenciar o que é diferente, é obvia, mas nem por isso será propricia paera a aceitação social.

Não pretendo dizer que é facil ser-se aberto quando a sociedade é fechada mas se ninguém mostrar que a diferença existe esta continuará a ser descriminada.

João de Matos said...

Sou completamente contra o protótipo “Sou gay/Lesbica, sou diferente”. Nessa linha de pensamento, penso que não deveriam de existir sítios exclusivos (ou quase exclusivos) a certas “opções” sexuais. Tudo para todos ;)!

Fica bem ;)

Diogo said...

Atenção o trumps não é exclusivo a gays. Eu sou um pouco neutro nesta questão. Eu era incapaz de entrar num local onde praticamente é tudo hetero e beijar uma pessoa do mesmo sexo que eu, isso seria uma falta de respeito. Por mais liberal que o mundo esteja temos de ver que existem pessoas que não gostam de ver duas pessoas do mesmo sexo a beijarem-se. Mas no entanto as pessoas no mundo hetero fazem isso na maior das descontracções, pois sabem, ou pensam, que as pessoas em todo o mundo têm mais ou menos a mesma ideia e dizem que é normal ver duas pessoas de sexos opostos e ver duas pessoas do mesmo sexo é anormal. Uma justificação parva sem sombra de dúvida mas se virem bem é assim que andam a pensar. Mas é a única maneira de podermos sair com amigos (as) a noite e podermos beijar pessoas do mesmo sexo e tentar viver (curtir) a vida sem preconceitos. Era perfeito acabar com estes preconceitos e descriminação, mas nada é perfeito. Já nos podemos dar por contentes com a mentalidade das pessoas estar a alterar a esta velocidade. ;) Grande tema dá para horas/horas de discussão, quem sabe um dia estamos todos sentados na mesma sala (quem fala na sala, fala noutro lado qualquer) e poder lançar este tema na mesa.