Saturday, April 17, 2010

Escadas Rolantes II

Acho que escadas rolantes dão boas metáforas para a divisão das pessoas em dois grupos. Isto porque o mundo é feito de dicotomias. Eu já, em tempos idos, me aventurei a falar sobre elas, mas acho que o Bagaço Amarelo foi mais bem sucedido que eu:

"Em Inglaterra, quem sobe uma escada rolante qualquer encosta-se sempre à direita para deixar passar pelo seu lado esquerdo os que querem andar mais depressa. No metro de Londres, por exemplo, há mesmo sinais a pedir que os transeuntes façam isso e, de facto, as pessoas fazem-no. É um país onde há lugar para quem quer apenas deixar-se levar pela escada e para quem quer subir os degraus pelo seu próprio pé. Em Portugal, é comum ver duas pessoas paradas, lado a lado, numa escada rolante qualquer. Quem quiser andar mais depressa que espere.
Na vida também é assim. Há quem se deixe simplesmente levar por ela e há quem queira dar os seus próprios passos nessa imensa escada rolante que a vida é. Acredito que esta é uma das maiores incompatibilidades entre pessoas, e por isso mesmo será também a causa do fim de muitas relações. Não há problema nenhum, ou pelo menos eu nunca vi um problema nisso, desde que se suba essa escada como na Inglaterra e não como em Portugal. É só preciso ter a noção que entre quem se deixa levar e quem anda per si vai havendo uma distância cada vez maior."


Tristemente, nunca consegui acabar um post que se intitulava A Verdade da Moca e que se referia à minha mais recente viagem a Amesterdão. Algures nas mil ideias que ocorrem na moca, que se discutem na moca, que se viveram na moca, estava esta mesma: parar ou andar.

Eu cá acho que parar é morrer. Mas que há sempre tempo para uma pausa em que se respira fundo e se aprecia tudo o que está à volta antes de retomar a caminhada.

MJNuts

Espreitem o blog do senhor acima referido, que vale bem a pena.

6 comments:

Ricardo Pinto said...

Estive a ler o post anterior e tenho que dizer que isso é algo que já me passou pela cabeça várias vezes. Mas por acaso aqui no metro de Lisboa não noto muito isso. Em algumas estações existem mesmo esses sinais para as pessoas se encostaram à direita caso não queiram andar. Quando por acaso alguém se decide a bloquear o trânsito basta dizer "Com licença"; eles olham para trás e vêem o que fizeram e deixam passar.

Mas o conteúdo deste post é diferente. Não é?
O objectivo da relação é subir as escadas rolantes em simultâneo. Por vezes, acontece que um dos elementos sobe as escadas mais lentamente e fica uns degraus a baixo. Nesses casos, quem vai em cima tem de apoiar o que vai em baixo para ele não se cansar e desistir de andar.

E acho que já escrevi demasiado xD.

PS: Apreciar a paisagem também pode ser bom :)

Blaze said...

E depois tens casos onde as escadas não funcionam e temos todos de subir.
Pessoalmente, aqueles que esperam para andar é que são comodistas, que peçam licença e subam. Vivam.

Morcegos no Sótão said...

@Ricardo O meu post sobre as Escadas Rolantes não tem muito a ver com este, é verdade. Na altura, foi mais uma de piada, porque eu não consigo estar parada nas escadas rolantes e acabava muitas vezes por ficar bloqueada no meu caminho.lol Mas gostei do post do Bagaço Amarelo e aproveitei para publicitar as antiguidades aqui do estaminé. =)
A ideia que o post me passou a mim é que quem vai em cima não é propriamente suposto ajudar quem vai abaixo e se cansa. Não digo que não o possa fazer, mas fiquei com a sensação que o que ele queria dizer é que, eventualmente, quem sobe as escadas em vez de ficar parado à espera que elas cheguem ao topo, mais cedo ou mais tarde, tem de seguir o seu caminho e não esperar mais, daí a distância se tornar cada vez maior.

@Blaze Tens razão, pois tens.lol Mas a verdade é que também acontece que muitas vezes tens uma fila de 7 ou 8 pessoas a bloquear o caminho e pedir licença a elas todas demora mais do que esperar que as escadas rolantes cheguem ao seu destino. E é por estas e por outras que eu subo as escadas normaizinhas que Deus quis sempre que possível.lol

MJNuts

Ricardo Pinto said...

Pois, acho que tens razão. Faz mais sentido a tua interpretação. Esse processo (o se subir as escadas sem ficar parado à espera) é mais rápido numas pessoas que em outras mas acaba sempre por surgir :)

Luís Bernardino said...

O melhor é quando é alternado - uns senhores à direita, uns senhores à esquerda. Muitas vezes são os mais velhotes que se metem nas escadas rolantes e ficam ali a empatar em vez de simplesmente pararem NO OUTRO LADO.

Acho que esta última frase ilustra bem os problemas deste país.

Guess said...

ainda vivo assustado com essa dicotomia. parar ou andar. há tanta coisa a ter em conta. sou novo, mas sinto-me cada vez mais perto daquilo que terei que ser como pessoa. tenho medo de tomar decisões erradas. ainda não sei viver.

mas acho que a Twin Brain acharia tudo isto filosofia barata. haha