Friday, January 12, 2007

Memória Selectiva

É de evidente conhecimento geral que a Memória é uma entidade muito selectiva. Poucos seriam os que manteriam a sanidade se assim não fosse. Já se imaginaram a recordar todos os pormenorzinhos da vossa existência a partir do momento em que as mitoses e meioses desta vida dessem origem ao vosso miserável cérebro? Muito mau. Acho que a maior parte não ultrapassava o trauma de ver a luz no fundo do canal vaginal e de repente é o Inferno cá fora. Travessia lixada, hem?

Ora muito bem. A Memória de uns dá-lhes para ter uma capacidade prática para as coisas que é um absurdo por demais. Há aqueles que passam uma vez por um caminho e o memorizam para a vida toda. Ainda temos aqueles casos que são enciclopédias ambulantes.

Depois temos-me a mim.

Eu gostava mesmo de saber que raio de combinação genética foi esta que os meus pais arranjaram… Ora vejamos: o meu disco rígido pessoal deve ter formato database. Digam-me os vossos nomes completos, mails, números de telemóvel, datas de nascimento, alturas, pesos e eu processo esta informação (70% da qual, perfeitamente inútil) e decoro-a para todo o sempre. Ou pelo menos para uma boa parte do sempre, em que contacto com as vossas gentis pessoas. Alguém é capaz de me dizer para que é que isto serve? Que vou fazer da vida com isto como característica??

Mas o pior ainda está para vir. A juntar à minha habilidade inata de reunir parvoíces em base de dados (também serve para saber nomes e elencos de filmes e séries, nomes de cada episódio, anos em que tais álbuns musicais saíram…), é servida a minha inabilidade igualmente inata de memorizar o que quer que seja do que digo e, muitas vezes, faço! O_O Um pouco como o gajo do Memento, estão a ver? Tenho de ver se arranjo uma polaroid para começar a escrever notas e depois não me enterrar quando me apontam à cara as minhas atitudes/palavras polémicas das quais estou perfeitamente absorta. Como se estivesse sempre de ressaca daquelas bebedeiras que a gente não se lembra de nada.

Vou dar um exemplo verídico, ocorrido aqui há uns anos:

MJNuts: Sabias que o Diogo Infante era gay?
Amiga Devidamente Não Identificada (referida daqui em diante por ADNI): O Diogo Infante? Não é nada! Onde foste buscar isso?
MJNuts: Não me lembro. Acho que li algures. Mas é, é! Também fiquei chocada!
ADNI: Não acredito…

3 semanas mais tarde…

ADNI: Olha que esta do Diogo Infante ser gay…
MJNuts: O Diogo Infante é gay?! Não fazia a mínima ideia!
ADNI: Mas foste tu que me disseste, oh parva!
MJNuts: Como é que fui eu que te disse se eu não sei nada dessas coisas?
ADNI: Contaste-me há umas semanas, que eu nem quis acreditar!
MJNuts: A sério?
ADNI: Ya! Não te lembras?
MJNuts: Não…

Pois é. Traumático. Saber assim, sem ter a mínima ideia do que se passava, que eu andava a proferir obscenidades sobre a sexualidade de um senhor muito respeitado da nossa praça.
De referir que eu não entendo nada da sexualidade do rapaz e não estou aqui com intenções de o desrespeitar ou de falar do que faz ou não faz com o seu orifício rectal. (Se bem que naquela altura até parecia menos gay que agora… Ups, eu não disse nada!)

O caso é grave quando tenho diariamente pessoas a relembrarem-me de coisas que eu disse, algumas das quais dois dias antes. Assim é impossível manter algum tipo de opinião! Vai andar sempre a variar de um extremo para o outro! Ninguém me vai dar crédito! Nãooo!

Caso mais recente, mas menos chocante:

MJNuts (via sms): O T-Bag é um personagem mal construído, o comportamento dele não faz sentido! Aquela sexualidade dele está mal trabalhada e não tem lógica:
Amigo do outro lado do telemóvel: (silêncio) Pensamento --> "Esta gaja é mas é louca, é melhor nem comentar."

2dias depois...

MJNuts: O T-Bag é um dos melhores personagens de Prison Break! Está super bem feito! O homem é genial, até me sinto mal por gostar de um pedófilo!
Amigo do outro lado do ciberespaço: conheço alguém que ontem não dizia isso…
MJNuts: Quem? Não devo ter sido eu com certeza, porque eu adoro o T-Bag!
Amigo do outro lado do ciberespaço: Foste, foste. Eu nem disse nada, já sabia que era da boca para fora.
MJNuts:

A realidade actual é que eu adoro o T-Bag e os seus bolsos com o forro de fora. Acho que não a esqueço tão depressa. Espero.

Como é possível que eu saiba enumerar as personagens todas que aparecem num livro ou numa série e depois se me perguntam qual é a história daquilo… Chapéu! Que raio de neurónio é este que não consegue executar as sinapses necessárias para manter o seu ser humano no limiar da normalidade? Está mal!

Conclusão lógica: não acreditem em nada do que digo. É 99.9% das vezes uma grandessíssima treta. Ou tanga, ainda que temporariamente (40minutos) verdade. Treta. Uma das duas.

MJNuts

11 comments:

Ludovico said...

Um quadro muito realista da memória... e do caso mais particular e que conheces mais intimamente.

Vá lá, a conclusão está boa, mas não abona nada de bom inaugurar um blogue com uma declaração de incoerência. XD

Mas um quadro real que ninguém leva mal. Às vezes é doloroso tentar agradar alguém com algo que ela nem se lembra, mas a malta sobrevive. XD

K1111 said...

O primeiro passo para a recuperação
é admitir que se tem um problema!
Mas é complicado ser-se amigo de uma pessoa com uma memória humana equivalente à de um peixinho dourado XD
Eu é sítios. Ou me esqueço completamente do caminho (mesmo depois de lá estar várias vezes) ou faço um mapa mental das zonas completamente errado. É ver-me a teimar que um sítio é não sei onde e ele estar no outro lado da cidade. Também me perco com alguma facilidade dentro de edificios onde nunca estive.
Sou daquelas pessoas a quem fazia verdadeiramente jeito um gps.
Tu com a "cache" avariada e eu com o gps...

CHESB

Morcegas no Sótão said...

Eu já me perdi dentro da minha própria garagem...=P

Mas até não sou muito má com lugares, depois de lá ter estado duas ou três vezes ou de alguém me ensinar o caminho. Passou a ser mais fácil depois de ter a carta, a memória apanhou-lhe o jeito. =)

Até nem tens muito que te queixar, o pobre do Ludovico é que, além de ser o protagonista do 2º exemplo, costuma ser vítima constante da minha memória de minhoca!xD

MJNuts/nirky

Ludovico said...

Acho que alguém se esqueceu qual o propósito do anonimato. XD

Morcegas no Sótão said...

LOL

Ups, desculpa. =P Queres que apague o comentário? Foi sem querer e tal... *runs&hides*

nirky

Ludovico said...

Eu estava só a meter-me contigo. Entretanto, não voltes a insultar as minhocas, Lethe. XD

João said...

Epah, depois de ler um texto tao grande tava a espera de algo mais do que Prision Break!

Morcegas no Sótão said...

Se achas que Prison Break é o cerne deste post estás muito mal...=P

Lethe... Pois Lethe... Ao menos eu tenho um rio baptizado em meu nome!xD

MJNuts

Ludovico said...

Meu deus, ela esqueceu-se que é mais ao contrário. XD Tu é que és baptizada pelas suas águas... regularmente.

Mas não leves a mal, sabes qual o sentido com que eu digo isso. :P

Morcegas no Sótão said...

Eu sei que o rio é mais antigo que eu, seu tronga! Mas era muito mais fashion se fosse ao contrário!x)

Lá que dá um belo nickname e quase torna a minha memória uma boa característica...Uh la la!xD

MJNuts

Twin said...

Muito sinceramente... se te tivesse que descrever apenas com duas palavras diria precisamente: Memória Selectiva. Acho que é para ái o texto em que consegues descrver-te reduzida e da melhor maneira.

Fartei-me de rir, e de repente muita coisa fez sentido...acontece que estava em duvida acerca de algumas se não muitas, opiniões que falavas nas nossas conversas.Opção a) ou b)? lol enfim...

;)